Articles
Rio2C – Conjugando o futuro do presente

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A última semana foi palco do Rio2C, a maior conferência de inovação e criatividade da América Latina. Trata-se de uma das maiores arenas em oportunidades para conectar empresas e criadores. Uma infinidade de temas nas áreas de experiência de marca, audiovisual, música, games e tecnologia são abordados.

Neste ano, as plataformas digitais demonstraram mais investimentos na área de comunicação, buscando ampliação de público. O mercado jornalístico, por sua vez, sofrendo os desafios de se manter vivo e dinâmico num mundo em que a produção de notícias se pulverizou, procura se reafirmar como produtor de conteúdo em novos canais. Uma das palestras, por exemplo, abordou a parceria do Spotify com a Folha de São Paulo, onde a Folha investe na produção dos podcasts e o Spotify na estrutura e divulgação do projeto.

Também vem ganhando força a aliança entre geração de conteúdos e branding: várias empresas movimentam-se na criação de obras atrativas e relacionadas ao propósito de suas marcas. Esta nova vertente de conteúdos envolve uma série de preocupações jurídicas, provocando a conversa entre advogados e profissionais da área de marketing para evitar a retirada de conteúdos das plataformas.

A utilização de recursos de inteligência artificial aplicados a criatividade já é uma realidade de mercado. Em um dos painéis, o diretor de pesquisa em tecnologia do Spotify apresentou canções produzidas por softwares. Essa iniciativa faz parte de um projeto que visa estimular a colaboração entre a máquina e os compositores no processo de criação. A tendência da criação assistida por inteligência artificial, gera para o direito a necessidade imediata de uma discussão mais profunda sobre a autoria de obras oriundas desta cooperação.

O clima de insegurança sobre políticas de incentivo, contribuiu para o posicionamento de alguns participantes da conferência sobre o assunto. A suspensão dos investimentos para o setor audiovisual pela Agência Nacional de Cinema (ANCINE), após decisão proferida pelo Tribunal de Contas da União (TCU) questionando irregularidades no processo de prestação de contas[1], levou empresas como o SBT a interromper projetos que dependiam do apoio do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). Ainda que o mercado audiovisual venha enfrentando problemas no financiamento de suas produções, existe a disposição das plataformas de streaming em investir em produções nacionais. Durante a conferência, foi anunciado pela Netflix a produção de novos projetos visando não apenas o mercado brasileiro como também o público internacional. Um dos lançamentos é a produção Reality Z, baseada na série Dead Set de Charlie Brooker, um dos criadores de Black Mirror, numa parceria entre a Netflix e a Conspiração.

A redução cada vez mais acentuada de incentivos fiscais voltados para a cultura, poderá estimular novas parcerias na produção audiovisual que não dependam da verba pública, demandando adequação da estrutura contratual voltada às especificidades do setor privado.

Apesar dos desafios, a indústria criativa vem buscando alternativas para seguir adiante. O investimento das marcas na produção e distribuição de conteúdo e as parcerias entre as empresas produtoras brasileiras e as plataformas digitais são fatores que contribuem para um cenário mais positivo para o crescimento do setor.

[1]Acórdão nº 721/2019, proferido no dia 27 de março de 2019

Créditos: Fernanda Guttmann