Articles
Revolução tecnológica transforma a propriedade intelectual

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Ao comemorar os 30 anos do escritório Gusmão & Labrunie, os sócios fazem um balanço das mudanças ocorridas nas últimas décadas na área de propriedade intelectual e apontam os futuros desafios

A revolução tecnológica observada, principalmente, após o advento da internet, vem transformando a propriedade intelectual e impondo desafios cada vez mais complexos à área. Fundado em 1988, Gusmão & Labrunie Propriedade Intelectual foi testemunha e também protagonista desta mudança. O escritório, que, no início, tinha foco maior em marcas, hoje é também o maior de patentes, em SP, incorporou o direito autoral e, atualmente, é um dos mais admirados do Brasil em propriedade intelectual.

A transição de tornar-se um escritório com forte inteligência em patentes ganhou força a partir de 2002. “Foram anos de investimento nessa área, um pouco de crença de que era o caminho e muita persistência”, conta o sócio José Roberto d´Affonseca Gusmão. Ele lembra também que o escritório foi o primeiro do Brasil a usar propriedade intelectual no nome, antecipando a tendência de que direitos de autor e da proteção industrial iriam se unir embaixo do mesmo guarda-chuva.

A estratégia mostrou-se acertada, tanto que Gusmão & Labrunie acumula diversas premiações nacionais e internacionais, tendo seus sócios reconhecidos e sendo eleito recorrentemente como um dos melhores escritórios de advocacia da matéria, no Brasil. “A demanda futura será intelectual, porque, com a digitalização, os processos tendem a ficar mais simples e objetivos. Já as brigas tendem a ficar mais complexas, principalmente, devido à globalização e às novas tecnologias”, aponta o sócio Jacques Labrunie.

Se, por um lado, a informatização simplificou a maneira de se fazer as coisas, por outro, as novas tecnologias vêm obrigando o meio jurídico a repensar velhos conceitos. “A quem pertence a inovação criada pelo robô? Ele resolve um problema, mas não chega à solução, se não tiver uma série de inputs, se não tiverem sido dados subsídios a ele”, questiona Labrunie, exemplificando a complexidade do momento atual.

A propriedade intelectual, que se ocupava mais da criação, começa também a ter de olhar para os efeitos da criação, como invasão de privacidade. “O novo poder da informação é supranacional e influenciador de importantes decisões”, completa Gusmão. Outro exemplo é em biotecnologia, um campo bastante disputado e no qual vêm despontando inovações, como técnicas de edição de genoma.

A proteção de bens intelectuais passa por entender a tecnologia que está por trás dele. “Precisamos descrever a tecnologia para buscar sua proteção. Isto exige um trabalho conjunto de quem conhece a tecnologia e de quem conhece o processo de proteção dessas tecnologias. Temos este mix no escritório, com advogados, engenheiros, profissionais das áreas técnicas e alguns com dupla formação”, explica Labrunie. Em seu quadro de colaboradores, Gusmão & Labrunie conta com profissionais de diversas áreas do conhecimento, como biologia, química, farmácia, mecânica, elétrica e engenharia, além de um número importante de paralegais diferenciados, a maioria bilíngues e com formação universitária. “Estamos participando ativamente das demandas que estão surgindo. E isto não vai parar; a inteligência artificial está chegando”, pontuou Labrunie.

Inteligência artificial (IA), computação cognitiva e a capacidade de se acumular e de se analisar rapidamente dados estão na base dos próximos saltos tecnológicos. Para Gusmão, os impactos e as consequências do uso dessas tecnologias quando amplamente aplicadas revolucionarão ainda mais o Direito e a área de propriedade intelectual. “É uma mudança de patamar. A PI está ficando mais complexa e mais ampla”, pontua Gusmão.

Em ascensão

Ao planejar as próximas décadas, os sócios majoritários entenderam que era chegado o momento de abrir a sociedade e convidaram jovens talentos a ocupar uma posição de maior responsabilidade. Em 2007, quatro advogados foram nomeados sócios. Dez anos depois, outros profissionais foram convidados a integrar o time, que, atualmente, conta com 10 sócios. Além de Gusmão e Labrunie, Laetitia Maria Alice Pablo d´Hanens, João Vieira da Cunha, Amanda Fonseca De Siervi, Carolina Nakata, Juliano Ryota Murakami, Priscila de Barros Thereza Yamashita, Thiago Arpagaus de Souza e Vicente de Moura Rosenfeld.

Assim, diferentes gerações com formações diversas ocupam cargos de liderança, conferindo um balanço entre a maturidade e o espírito inovador, inquieto e contestador. “A ideia é que estes jovens sócios, que têm apetite para o crescimento, sejam o motor da nossa evolução, queremos ser questionados por eles”, diz Gusmão.

Tal diversidade será necessária para trilhar o caminho planejado. O escritório Gusmão & Labrunie tem um plano ousado de crescimento. A meta acordada, no último planejamento estratégico, estipulou um aumento de 15% a 20% no faturamento ao ano, o que significa dobrar o escritório dentro de um prazo de cinco anos.

“O escritório sempre teve a preocupação óbvia de honestidade e excelência, mantendo o foco no interesse do cliente”, ressaltou Labrunie. “A prestação de serviços em si está em plena transformação, mas algumas coisas se mantêm. Nós primamos por manter o tripé de inteligência, cultura e atendimento com encantamento de clientes”, completou Gusmão.

Créditos: Jornalista Roberta Prescott