Articles
O incerto futuro das indicações geográficas no acordo de livre comércio em negociação entre o Mercosul e a União Europeia

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Em setembro deste ano, no calor da instabilidade econômica na Argentina e do processo eleitoral brasileiro, reiniciaram-se as rodadas de negociação do Acordo de Livre Comércio entre a União Europeia e o Mercosul, em curso há quase vinte anos. Com a Venezuela suspensa do tratado desde 2016, Argentina, Paraguai e Uruguai acompanharam o Brasil nas tratativas com o bloco europeu.

No contexto destas negociações, o tema das indicações geográficas sempre foi um assunto sensível. Indicações geográficas são sinais distintivos (nomes, palavras, símbolos) usados para identificar a origem geográfica de produtos ou serviços provenientes de localidades que tenham se tornado prestigiadas ou conhecidas em relação a tal produto ou serviço; ou quando esta mesma origem geográfica seja determinante de uma característica ou qualidade de um produto ou serviço.

Tradicionalmente, indicações geográficas comportam duas categorias de sinais: as indicações de procedência, relativas regiões ou localidades cujos produtos ou serviços gozem de determinada reputação (como, por exemplo, chocolates suíços, perfumes franceses, cutelaria alemã, rendas nordestinas, entre outros) e as denominações de origem, referentes a regiões ou localidades cujos fatores geográficos (clima, latitude, altitude, composição de solo, umidade etc.) ou humanos (modo tradicional de produção, por exemplo) conferem certas qualidades e características intrínsecas aos produtos (Bordeaux, Champagne, Cognac etc.).

Dentre as indicações geográficas mais conhecidas, estão diversos produtos do continente europeu, berço do sistema legal de proteção a estes sinais distintivos agregadores de valor no comércio internacional. Basta mencionar as indicações geográficas de queijos, vinícolas, azeites, embutidos e tantos outros produtos alimentares de prestígio e valor diferenciados, desde o desenvolvimento do comércio transnacional e abertura de rotas no final do período medieval.

No Brasil, o fomento à cultura de indicações geográficas é bem mais recente. Apesar de sua enorme extensão territorial e da diversidade de ecossistemas, o Brasil não tinha, até o ano 2002, nenhum pedido de indicação geográfica para produtos ou serviços nacionais. O exemplo da APROVALE, associação dos produtores da região do Vale dos Vinhedos, apoiada pela EMBRAPA e por universidades federais, foi paradigmático. Hoje, Vale dos Vinhedos é uma denominação de origem para vinícolas, acompanhada por mais dez denominações de origem brasileiras (dentre elas, a Região do Cerrado Mineiro, para cafés, Litoral Norte Gaúcho para arroz, Costa Negra, par camarões da região do Baixo Acaraú, no Ceará) e cinquenta indicações de procedência nacionais (incluindo Alta Mogiana, para cafés; Paraty para aguardente; Vale dos Sinos, para couros; São João Del-Rey para estanhos; e Canastra, para queijos, dentre outras). No site do INPI, é possível acessar a lista das indicações de procedência concedidas e a lista das denominações de origem concedidas, bem como acompanhar o andamento dos pedidos.

No contexto do comércio internacional, os países europeus vêm pressionando as demais nações quanto à adequada proteção das indicações geográficas para impedir seu uso indiscriminado por produtores que não possuam vínculo com a região de origem. Os conflitos podem se tornar complexos, sobretudo, em função do uso destes sinais por imigrantes oriundos das regiões produtoras, instalados nos novos continentes, como a América e a Austrália, e, em alguns casos, transformando indicações geográficas como sinônimos de categorias de produtos. No Brasil, linguiça calabresa e queijo parmesão são exemplos de indicações geográficas que perderam sua distintividade para indicar produtos vindos das respectivas regiões italianas.

Para disciplinar estas questões, tratados multilaterais como o TRIPS (ADPIC, em português, para Acordo sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio) estabelecem regras que levam em consideração diversos critérios de solução, como a boa fé e a prolongação do uso do sinal no território que não corresponde à origem do produto. Além das regras de disciplina pelos acordos multilaterais, as partes podem solucionar seus conflitos de interesses por meio de acordos bilaterais diretos. No segmento vitivinícola, a União Europeia celebrou acordos bilaterais com países conhecidos como “novos produtores”, como é o caso da Austrália e do Chile.

Estrategicamente, o Mercosul vincula a negociação de um possível acordo com a União Europeia sobre indicações geográficas à agenda de negociações para a facilitação das exportações de seus produtos agrícolas ao Velho Continente, face ao forte regime de subsídios acordados aos produtores locais europeus. O bloco latino vem demandando propostas mais atraentes da União Europeia para abrir a entrada de carne bovina, açúcar e etanol, produtos que ainda sofrem restrições de cotas e barreiras relevantes A Comissão europeia para o Livre Comércio, por sua vez, critica o foco dos países do Mercosul nas exportações à China e à Ásia, bem como o dito protecionismo industrial no segmento de produtos químicos.

Neste contexto, os blocos trocaram listas com as indicações geográficas que pretendem reconhecer e proteger diretamente. Da lista da UE constam 347 IGs contra apenas 200 na lista do Mercosul. Há, nessa discussão, questões delicadas a serem endereçadas, como as indicações geográficas que se tornaram uso comum no Brasil, tais como parmesão, gorgonzola, cava, brie, feta e parmigiano.

A lista europeia foi publicada pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial, abrindo prazo para qualquer interessado manifestar-se, mas ainda não há dados oficiais sobre as potenciais objeções.

À imprensa, Rodolfo Nin Novoa, chancelar do Uruguai, país que preside o Mercosul, afirmou que o bloco almeja fechar acordo de livre-comércio com a UE no primeiro trimestre de 2019, antes da mudança do Parlamento da União Europeia. Com a recente posse do novo governo do presidente Jair Bolsonaro, espera-se que seja definida uma agenda para este importante acordo.

Créditos: Laetitia d'Hanens