Clippings
Monsanto pode reivindicar patentes de sementes de algodão

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A Suprema Corte de Nova Deli, na Índia, determinou nesta terça-feira (08.01) que a Monsanto pode reivindicar patentes de sementes de algodão geneticamente modificadas (OGMs). De acordo com a empresa, essa é uma vitória que deve incentivar empresas de biotecnologia a aumentar o investimento na Índia.

Além disso, a Monsanto comemorou o resultado do julgamento, ressaltando a necessidade de se basear em pesquisas científicas para tomar qualquer decisão que envolva os tribunais. “Estamos confiantes em defender nossa patente, apresentando evidências científicas sólidas, e em buscar o julgamento do caso pelo Tribunal sobre a questão da violação da patente pelas empresas de sementes em disputa”, disse em comunicado.

A tecnologia de sementes de algodão GM da Monsanto passou a dominar 90% da área plantada de algodão na Índia. Mas, nos últimos anos, a Monsanto tem enfrentado as patentes da empresa de sementes indiana Nuziveedu Seeds Ltd (NSL) por patentes, atraindo os governos indiano e norte-americano. A decisão ocorreu depois que a NSL argumentou que a Lei de Patentes da Índia não permite que a Monsanto cubra as patentes de suas sementes de algodão geneticamente modificadas.

“Estamos satisfeitos com a decisão da Suprema Corte da Índia que deferiu nosso pedido para tornar sem efeito a ordem do Tribunal Superior de Delhi que invalidava uma das patentes da tecnologia de algodão Bollgard II®. A Suprema Corte restabeleceu a ordem da decisão monocrática do Tribunal Superior de Delhi que, em primeira instância, validou a nossa patente e enviou o caso de volta para um julgamento completo, baseado em evidências, considerando as complexidades envolvidas no caso”, conclui.

https://massanews.com/negocios-da-terra/agricultura/monsanto-pode-reivindicar-patentes-de-sementes-de-algodao-5ooke.html

Créditos: Massa News