Facebook
Facebook
12 JUNE 2018

Chocolate de Gramado vai ganhar selo de certificação

12.06.2018

 

Paula Pacheco
Gramado (RS) busca selo de procedência para seus produtos, que precisarão ter pelo menos 35% de cacau na composição. Cinco empresas já estão aptas a adotar a indicação de origem
Os chocolates produzidos em Gramado, na Serra Gaúcha, poderão ser os primeiros do país com indicação de origem. Até o fim do mês, a Associação das Indústrias de Chocolate de Gramado (Achoco) vai fazer o depósito do pedido junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi). A análise pode levar de 6 a 18 meses. Se for aprovado, os produtos feitos na cidade que seguirem as normas definidas pela entidade passarão a estampar selo de certificação com a procedência nas embalagens.
Hoje, a legislação brasileira prevê que os chocolates tenham ao menos 25% de cacau na sua fabricação. No caso do produto certificado pela Achoco, será preciso ter no mínimo 35% de massa, licor e manteiga de cacau para o chocolate ao leite e um número ainda mais alto para o meio amargo e o amargo. Também fica de fora da especificação o uso de gordura vegetal, que terá de ser substituída por manteiga de cacau.
Atualmente, pelo menos cinco fabricantes de Gramado já estão aptos a adotar o futuro selo (Caracol, Florybal, Gramadense, Lugano e Planalto) e outras 40 empresas têm condições de se adaptar para fazer parte do programa, proposto pela Secretaria de Turismo da cidade gaúcha.

Todo o processo foi feito pela Master Assessoria Empresarial e levou dois anos para ser concluído. Segundo Marcelo Adriano da Silva, sócio da consultoria, em um primeiro momento, a Secretaria de Turismo de Gramado avaliou a possibilidade de fazer do fondue seu produto com indicação de procedência, mas depois de algumas pesquisas percebeu que havia um potencial maior no chocolate – um dos produtos preferidos pelos turistas que visitam a cidade e buscam lembrancinhas para levar para os amigos.

Pelas regras, será preciso seguir um regulamento que leve em consideração não só os tipos de insumo como o processo de produção. Para que o processo seja avaliado pelo Inpi, explica o consultor, é preciso comprovar a existência de tradição na produção do chocolate. No caso de Gramado, a inspiração veio de Bariloche, na Argentina, e contou com o trabalho de descendentes alemães e italianos que vivem na região. Depois, foi preciso delimitar a região que onde teria de sair a produção do chocolate e por último as características dos produtos.

“Ao diferenciar o chocolate produzido na cidade, será uma forma de contribuir com a atividade turística de Gramado, que já é tão importante. Além de características mínimas para garantir a qualidade, o selo vai servir de proteção contra o uso do nome de Gramado por indústrias de fora que pirateiam a marca”, explica Silva. Se uma empresa usar a marca “Chocolate de Gramado” sem autorização poderá ser acionada na Justiça.

Hoje, a produção anual de chocolate artesanal em Gramado é de cerca de 1,2 milhão de quilos por ano. O produto é tão importante que a cidade organiza há quatro anos um evento para celebrar a Páscoa, com a realização de uma parada pelas ruas da cidade, apresentação de atrações musicais e teatrais. Passaram pela cidade cerca de 350 mil pessoas e as vendas nas lojas tiveram um incremento de cerca de 12%.
Turismo

Até hoje, segundo Ubiracy Fônseca, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab), o país tinha apenas o cacau com certificado de origem. Caso o pedido de Gramado seja aprovado pelo Inpi, será o primeiro caso para esse tipo de produto. “Esse é um apelo turístico importante para a cidade e mostra que há opções para inovar nesse mercado. Hoje mesmo, no caso do cacau com origem certificada, ainda são poucos os casos”, explica.

Para o executivo, esse tipo de iniciativa é importante para atender a uma demanda específica de consumidores. No Brasil, no entanto, cerca de 95% das vendas de chocolate ainda são feitas pelos supermercados e concentram-se na receita à base de leite – mais doce e com menor teor de cacau.
Enquanto a indústria de chocolate de Gramado se organiza para aumentar o percentual do cacau além do que prevê a regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), prevendo que seus produtos tenham pelo menos 35% da matéria-prima, a Abicab, entidade que representa o setor, é contra uma elevação no percentual mínimo, que hoje é de 25%.

Atualmente, o assunto vem sendo discutido no Senado e uma das propostas prevê que o chocolate brasileiro passe a ter no mínimo 35% de cacau. Para Ubiracy Fônseca, trata-se de “uma ação eleitoreira, com parlamentares defendendo interesses da sua base eleitoral”. Segundo o representante da indústria, a medida, caso seja aprovada, tornaria o produto brasileiro mais caro, já que o país não é autossuficiente na produção de cacau e atualmente tem de importar uma parte do que consome para atender ao mercado nacional.

De acordo com o executivo, no ano passado, de 250 mil toneladas de cacau utilizadas pela indústria, entre 170 mil e 180 mil saíram das lavouras locais – especialmente do Pará, o maior produtor. “A Abicab defende que o Brasil primeiro seja autossuficiente em cacau para depois discutir a possibilidade de aumentar o percentual usado no chocolate. Imagine com o dólar do jeito que está ter de importar mais cacau. Seria uma atitude insana”, avalia. O produto tem cotação internacional, em dólar, mas no caso da importação sofre com um impacto maior do frete, já que a mercadoria tem de ser trazida de Gana, país autorizado a embarcar para o Brasil.

 

https://www.em.com.br/app/noticia/economia
/2018/06/12/internas_economia,966160/chocolate-com-certificado.shtml

Fonte:
Estado de Minas


« Voltar